Skip to Content Skip to Search

Performance em Portugal

Situação Atual

  • Área Respiratória
    • Portugal continua a registar um elevado subdiagnóstico de DPOC e Asma, face aos valores previstos de prevalência1;
    • As doenças do aparelho respiratório têm uma elevada prevalência, sendo responsáveis em Portugal por cerca de 19% dos óbitos e a principal causa de internamento hospitalar1;
    • Em 2016, excluíndo as neoplasias, as doenças respiratórias foram responsáveis por 963 anos de vida perdidos (YLL)1;
    • Segundo a Direção-Geral da Saúde, os custos associados aos internamentos hospitalares por doenças respiratórias atingiram os 213 milhões de euros em 20131;
  • Vacinas
    • As vacinas previnem cerca de três milhões de mortes todos os anos, evitando que quase 750.000 crianças sofram de algum tipo de incapacidade2;
    • Portugal é o país da UE em que mais se confia nas vacinas3;
    • Entre 1990 e 2016 registou-se uma redução de 54% na mortalidade por doenças preveníveis por vacinas2;
    • A vacinação em Portugal permitiu erradicar a varíola, eliminar cinco doenças e controlar outras sete4.
  • Oncologia
    • 1 em cada 5 homens e 1 em cada 6 mulheres desenvolve cancro ao longo da sua vida5;
    • Em Portugal, há mais de 155 mil pessoas que vivem com diagnóstico de cancro nestes últimos 5 anos5.
    • A deteção precoce é crítica no combate ao cancro. Exemplo disso é o cancro do ovário que, devido à difícil deteção em estadios iniciais, é atualmente o cancro ginecológico mais letal em Portugal e no mundo6,7;
    • Devido a estratégias efetivas de prevenção e à inovação terapêutica, a sobrevivência a vários tipo de cancro tem aumentado significativamente ao longo dos últimos anos7;
    • Em 2017, a carga de doença oncológica teve um impacto económico de cerca de 141mM€, na União Europeia8.
  • VIH
    • A transmissão de VIH continua a ser uma prioridade de saúde pública, afetando mais de 2 milhões de cidadãos na Europa9, onde Portugal apresenta uma das taxas de prevalência mais elevadas10;
    • Graças à inovação e progresso tecnológico, a infeção por VIH é hoje uma doença crónica11;

O nosso compromisso

  • Área Respiratória
    • >50 anos de compromisso com a investigação e inovação na área respiratória;
    • Dispomos de um dos portfólios mais alargado e flexível de soluções terapêuticas para os vários estadios de asma e DPOC;
    • Temos procurado estabelecer parcerias institucionais ao nível dos Cuidados de Saúde Primários, que aportem valor à prestação de cuidados respiratórios, do diagnóstico à reabilitação.
  • Vacinas
    • A GSK tem mais de 30 vacinas desenvolvidas, que ajudam a proteger contra 21 doenças12.
    • 40% das crianças de todo o mundo são imunizadas por, pelo menos, uma vacina da GSK2;
    • No âmbito da resposta à pandemia da COVID-19, temos múltiplas parcerias em curso para o ágil desenvolvimento e produção de várias vacinas adjuvantadas13;
    • Colaboramos ativamente com as autoridades de saúde para que as nossa vacinas possam ajudar a proteger o maior número de portugueses, nomeadamente através do PNV;
  • Oncologia
    • Estamos a aplicar uma abordagem única à I&D em Oncologia que nos tem permitido progredir consideravelmente no desenvolvimento de potenciais novos medicamentos.
    • Estamos focados em promover inovação terapêutica através de ciência e tecnologia centradas no doente.
    • O nosso objetivo primordial é dar resposta a necessidades médicas não satisfeitas, que maximizem a sobrevivência e aumentem a qualidade de vida.
    • Em conjunto com a comunidade médica, estamos empenhados em desenvolver novas soluções terapêuticas para as doentes com cancro do ovário;
  • VIH
    • Ao longo dos últimos anos, temos colaborado com o projeto Fast-Track Cities, da ONU, no âmbito do objetivo 90-90-90;
    • Nos últimos dois anos, doámos mais de 500mil € a Associações de Doentes com VIH;
    • Contribuímos ativamente para a formação científica independente de vários profissionais de saúde da área do VIH em Portugal;

Desafios e Prioridades

  • Prestar um contributo à estratégia integrada de diminuição do subdiagnóstico de DPOC, ao nível dos Cuidados de Saúde Primários;
  • Otimizar a gestão e o controlo dos doentes respiratórios, melhorando a sua qualidade de vida e diminuíndo os internamentos;
  • Promover iniciativas que fortaleçam os índices de literacia em saúde, nomeadamente na área respiratória, de vacinas e das doenças oncológicas;
  • Mitigar barreiras no acesso ao diagnóstico e à inovação terapêutica em Oncologia, promovendo uma efetiva cultura de integração entre os vários níveis de cuidados;
  • Assegurar um efetivo acesso à vacinação contra doenças preveníveis, intra e extra-PNV (Plano Nacional de Vacinação).
  • Fortalecer o compromisso multidisciplinar ao nível da promoção e educação para a vacinação.
Referências:

1. Observatório Nacional das Doenças Respiratórias. 13º Relatório 2018
2. GSK. GSK and the Decade of Vaccines.
3. Publico. Vacinas – Portugal, um caso de sucesso.
4. Direção-Geral de Saúde. 50 anos do Programa Nacional de Vacinação. Resultados 2017.
5. Agência Internacional para a Investigação do Cancro (IARC), da OMS. 2019
6. European Society of Medical Oncology. What is Ovarian Cancer? ESMO Patient Guide Series. 2017
7. Allemani, C. et al. Global surveillance of trends in cancer survival 2000–14 (CONCORD-3): analysis of individual records for 37 513 025 patients diagnosed with one of 18 cancers from 322 population-based registries in 71 countries. The Lancet. VOLUME 391, ISSUE 10125, P1023-1075, MARCH 17, 2018
8. Cancer Atlas. The economic burden of Cancer
9. ECDC. HIV Report 2018.
10. Sermais. O VIH/SIDA em Portugal.
11. Deeks, S. The End of AIDS: HIV Infection as a Chronic Disease. The Lancet 2018.
12. GSK.com – About us: Vaccines.
13. GSK. Our COVID-19 response key facts. Updated 21st May.