Desenvolvimento

Estamos a desenvolver a próxima geração de medicamentos e vacinas.

Investimos na excelência técnica e científica para desenvolver e lançar novos medicamentos e vacinas, que dêem resposta às necessidades dos doentes e dos pagadores.

Na área de Desenvolvimento Farmacêutico, convertemos ciência básica inovadora – analisando dados que não estão limitados a uma determinada área terapêutica ou modalidade – em potenciais novos medicamentos específicos de determinadas doenças.

Isto inclui dar apoio aos colaboradores da área de Investigação para garantir que estamos focados nas moléculas mais promissores e que possam beneficiar um maior número de doentes, introduzir o recurso a tecnologias avançadas que suportem a recolha em tempo real de dados clínicos sobre doentes, interagir com entidades reguladoras ao longo do percurso de desenvolvimento dos fármacos e trabalhar em conjunto com as nossas equipas internacionais de cada área terapêutica e com as equipas comerciais de cada país, de a que que os medicamentos e vacinas cheguem aos doentes.

As nossas áreas terapêuticas prioritárias atualmente são Oncologia, VIH, Doenças Infecciosas, Imuno-inflamação, Respiratória e Vacinas.

Desenvolver um medicamento ou uma vacina demora muitos anos. Contudo, os rápidos avanços na ciência e na tcnologia estão a transformar o setor da saúde, melhorando a probabilidade de sucesso em I&D e podendo contribuir para a aceleração do processo. Os insights que tem sido possível adquirir têm melhorado o desenvolvimento de medicamentos e vacinas de ação terapêutica e preventiva, bem como permitido aos fabricantes e compradores de produtos de saúde uma melhor mensurabilidade da sua efetividade.

Foco no doente

O Foco no Doente é um dos nossos valores basilares e dispomos de uma equipa Patients in Partnership que coloca a voz dos doentes no centro da nossa atividade. A nossa visão ambiciona uma companhia em que existe uma interação sistemática e consistente com o doente ao longo de todo o ciclo do produto. Uma companhia em que a informação que obtemos dos doentes faz parte de todos os planos e atividades estratégicas e em que as competências de interação com os doentes estão disseminadas e enraízadas em toda a sua estrutura.